Anomalias que os especialistas não conseguem explicar podem provar que Lua realmente é artificial

04/01/2019 19:34

Há algumas rochas lunares que contêm 10 vezes mais titânio do que as rochas na Terra que são ricas com este metal. Aqui na Terra, usamos o titânio em jatos supersônicos, submarinos e espaçonaves. Isto é inexplicável. 

 
 
Apesar das missões Apolo terem trazido de volta grande quantidades de dados sobre a Lua, esta ainda permanece um enigma para os astrônomos e cientistas.  O Dr. Robert Jastrow, o primeiro presidente da Comissão de Exploração Lunar da NASA, chamou a Lua de “A Pedra de Rosetta dos Planetas“.
 
Mas o que há sobre a Lua que fascina a todos?  Bem, há muitas pessoas que acreditam piamente que a Lua na verdade tenha sido um lugar artificialmente montado, uma peça de engenharia que possui uma camada exterior de 4,8 quilômetros de espessura, com poeira e rochas.  Abaixo desta camada, eles acreditam que a Lua possua uma casca dura de aproximadamente 32 quilômetros, feita de materiais altamente resistentes, como titânio, mica, e neptúnio 237. Definitivamente elementos que você não esperaria encontrar “dentro” da Lua.
 
Há muitos ovniólogos ao redor do mundo, os quais especulam que a Lua na verdade seja uma base gigante, onde os extraterrestres pesquisam o progresso da raça humana.
 
Há tantos mistérios sobre a Lua que algumas pessoas propuseram que ela poderia ser algo totalmente diferente.
 
Robin Brett, um cientista da NASA, declarou, “Parece ser mais fácil explicar a não existência da Lua, do que sua existência”.
 
Há 7 irregularidades, as quais sugerem que a Lua tenha sido projetada e poderia ser uma base oca gigantesca:
 

A Lua parece ter sido projetada.

 
Em novembro de 1969, a NASA intencionalmente arremessou o módulo lunar contra a Lua, o que causou um impacto equivalente à uma tonelada de TNT.  As ondas de choque se ampliaram e os cientistas da NASA relacionaram o que estava acontecendo na Lua.  Estranhamente, após o impacto, os cientistas disseram que a Lua soou como um sino e a reverberação continuou por trinta minutos.  De acordo com Ken Johnson, supervisor do departamento de controle de dados e fotos, a Lua não somente soou como um sino, mas toda lua ‘balançou’ de forma tão precisa, que foi “quase como ela tivesse um amortecedor hidráulico gigantesco dentro dela“.
 

A Lua possui elementos que não deveriam estar lá.

 
Na década de 1970, Mikhail Vasin e Alexander Shcerbakov, da Academia Soviética de Ciências, escreveram um artigo chamado “Seria a Lua a Criação de uma Inteligência Alienígena?”  O artigo era muito interessante e postulava algumas importantes questões.  Como é possível que a superfície da Lua seja tão dura e por que ela contém minerais como o titânio?  Misteriosamente, descobriu-se que há algumas rochas lunares, as quais possuem METAIS PROCESSADOS, tais como latão, mica e os elementos urânio 236 e neptúnio 237, que até então nunca haviam sido encontrados em forma natural.  Todavia, há traços deles na Lua. O urânio 236 é um resíduo de processamento nuclear radioativo, que é encontrado em reprocessamento de urânio.  O mais interessante ainda é que o neptúnio 237 é um elemento metálico radioativo e um subproduto de reatores nucleares e da produção de plutônio.  Você deve perguntar: O que está acontecendo com a Lua?  De onde vieram estes elementos e minerais?
 
 
 

A Lua não possui um núcleo sólido

 
Diferentemente de outros objetos planetários, a Lua não possui um núcleo sólido. Os pesquisadores estão quase que 100 por cento seguros de que a Lua seja na verdade oca, ou possui um interior com a densidade muito baixa.  Estranhamente, as concentrações da massa da Lua estão localizadas numa série de pontos logo abaixo de sua superfície.
 

A Lua é mais velha do que a Terra

 
Nossa Lua é diferente de qualquer outro satélite descoberto em nosso sistema solar.  Os pesquisadores sabem que a Lua tem 4,6 bilhões de anos e que este fato levanta muitas questões.  Isto significa que a Lua é mais velha do que a Terra por aproximadamente 800.000 anos, de acordo com cientistas.
 

 Órbita incrível

 
A Lua é o único satélite planetário do sistema solar que possui uma órbita estacionária circular quase perfeita. É fato que a Lua não gira como um corpo celeste natural.  Em outras palavras, nossa Lua não compartilha quaisquer características com outras luas encontradas em nosso sistema solar. E se isso não fosse o suficiente, de qualquer ponto da superfície do nosso planeta, somente um lado da Lua é visível. O que o outro lado da Lua estaria escondendo?
 

Rochas lunares e titânio

 
Há algumas rochas lunares que contêm 10 vezes mais titânio do que as rochas na Terra que são ricas com este metal.  Aqui na Terra, usamos o titânio em jatos supersônicos, submarinos e espaçonaves.  Isto é inexplicável.  O Dr. Harold Urey, ganhador do Prêmio Nobel de Química disse estar “terrivelmente intrigado pelas rochas que os astronautas encontraram na Lua e pelo seu conteúdo de titânio“.  As amostras foram inimagináveis e intrigantes, já que os pesquisadores não puderam explicar a presença deste metal.
 

Posição precisa

 
Se todos os pontos acima não fizeram você pensar de forma diferente quanto a Lua, aqui estão algumas coisas mais interessantes sobre ela.  O que está mantendo a Lua numa posição quase perfeita?  A Lua possui altitude, trajetória e velocidade quase precisas, a permitindo funcionar apropriadamente com relação à Terra.
 
Colocado de forma simples, a Lua não deveria estar onde está atualmente.  Tudo aponta para a possibilidade de que a Lua tenha sido colocada na sua posição atual, num passado distante.  Sua órbita não natural e composição irregular levantam centenas de questões que nem os cientistas da NASA, nem os astrônomos ou geólogos são capazes de responder hoje.  Apesar de todos os esforços para compreenderem o satélite “natural” da Terra, a verdade é que possuímos muito pouca informação sobre a origem e propósito da Lua.
 
Bonus
 
Recentemente pesquisadores encontraram uma entrada para uma área subterrânea da Lua
 
Dados de uma sonda espacial confirmaram que uma caverna enorme, estendendo-se por cerca de 50 quilômetros, existe sob a superfície da Lua, oferecendo um possível local protegido para as futuras bases lunares, disse a Agência Japonesa de Exploração Espacial (JAXA) em 18 de outubro.
 
 
A caverna, encontrada na área das Colinas Marius no lado aparente da Lua, tem cerca de 100 metros de largura e estende-se por cerca de 50 km, de acordo com dados obtidos pelo Selenological and Engineering Explorer (SELENE), também chamado de sonda Kaguya.